Como as manipulações mancham o futebol

Por Dênis de Lima e Murillo Lopes

Juventus, uma das equipes envolvidas no “Calciopoli”

Trezentos e oitenta: este é o número de partidas de futebol suspeitas de manipulação em importantes competições disputadas no mundo, de Liga dos Campeões da Europa a eliminatórias para a disputa da Copa do Mundo. É como se uma partida, em dez edições ininterruptas do Campeonato Brasileiro, tivesse um resultado adulterado por bandidos. É terrificante.

No último dia 4, a Europol (polícia europeia) descobriu um esquema de corrupção envolvendo mais de 15 países. Ainda de acordo com a organização, já está provado que houve manipulação de jogos em 150 casos. As manipulações aconteceram em função do mercado de apostas feitas na internet: assim que a partida era escolhida, a quadrilha procurava juízes, jogadores e/ou dirigentes que participariam dos jogos e os subornava. O resultado era combinado de modo a beneficiar certo grupo de apostadores. Também de acordo com a Europol, a quadrilha atua na Europa e na Ásia e obteve o equivalente a 21 de milhões de reais em lucro com a manipulação de resultados. Com esse dinheiro, é possível comprar cerca de 1.000 carros populares.

Outros casos de manipulação tiveram repercussão internacional: o “Calciopoli”, na Itália, envolveu as equipes Reggina, Fiorentina, Lazio, Milan e Juventus. Os times foram acusados de selecionar árbitros para controlar os resultados dos jogos. 14 partidas foram investigadas. O caso foi descoberto em maio de 2006 e os times foram punidos: Lazio, Reggina, Milan e Fiorentina iniciaram a competição do ano seguinte com pontos negativos (respectivamente, 3, 11, 8 e 15) e a Juventus, além de perder os títulos de 2005 e 2006 do Campeonato Italiano, foi rebaixada para a 2ª divisão e iniciou a competição seguinte com nove pontos negativos. Dirigentes de equipes e juízes também foram punidos: receberam suspensão do futebol, de três meses a cinco anos. Por exemplo, o árbitro Massino de Santis foi suspenso por quatro anos.

Resultados manipulados não são exclusividade do Velho Mundo. A “Máfia do Apito” interferiu em várias partidas do Campeonato Brasileiro de 2005. O esquema contava com golpistas de sites de apostas e juízes de futebol. Os resultados eram combinados com os juízes e a quadrilha obtinha lucros milionários com apostas feitas na internet. Um dos árbitros envolvidos, Edilson Pereira de Carvalho, admitiu ser parte do esquema e foi banido do esporte. 11 partidas do Campeonato Brasileiro daquele ano tiveram que ser jogadas novamente – a ideia era anular a atuação de Carvalho na competição.

A Alemanha também não escapou. No começo de 2005, foi descoberto que o juiz Robert Hoyzer era pago por apostadores croatas para influenciar o resultado dos jogos. Das 13 partidas manipuladas, a que mais teve repercussão foi Paderborn x Hamburgo, pela Copa da Alemanha. Dois pênaltis marcados por Hoyzer (o que eliminou o Hamburgo, pois ele perdeu por 4 a 2) despertaram a confiança de algumas pessoas  e, graças às denuncias de outros árbitros, a ligação entre Hoyzer e os croatas foi descoberta. O juiz ficou preso por mais de dois anos e foi banido do esporte, os croatas receberam penas de até três anos de prisão e o Hamburgo recebeu 2 milhões de euros como compensação por ter sido indevidamente eliminado da Copa da Alemanha.

Manipulação: é possível evitar?
Tanto a FIFA, quanto o comitê organizador da Copa foram questionados por esta reportagem sobre medidas para evitar que a manipulação de resultados volte a acontecer. É um assunto importante, especialmente considerando que a Copa acontece no ano que vem. Entretanto, nenhum deles respondeu. Jornalistas Esportivos também receberam perguntas por e-mail sobre o assunto, mas apenas um se dispôs a falar: Juca Kfouri. Abaixo, a entrevista:

Recentemente, a Europol descobriu que muitas partidas ao redor do mundo tiveram os resultados manipulados. Como isso afeta a credibilidade do esporte? Como o público se sente em relação a isso? Afeta de maneira grave e gera profunda desconfiança no torcedor.

O que a FIFA pode fazer para impedir a manipulação de resultados? Existe alguma iniciativa específica para isso? Muito pouco, porque a praga das apostas via internet é incontrolável.

Que punições a FIFA e a Justiça dos países onde os jogos manipulados aconteceram vão dar aos envolvidos (juízes, jogadores, apostadores etc)? Quando pegos, devem ser sumariamente banidos.

Como evitar que manipulações aconteçam na Copa 2014? O Brasil conseguiu aprender alguma coisa com o escândalo da Máfia do Apito em 2005 para evitar que algo semelhante volte a acontecer? Não vejo como. E não aprendemos nada, até porque quem comanda o futebol brasileiro não é flor que se cheire, ao contrário.

Veja a Linha do Tempo dos escândalos e o gráfico comparando o número de partidas manipuladas em cada uma das ocasiões.

Foto: Bianconero.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s